domingo, fevereiro 13, 2005

Os seis colos de Sócrates

Imprensa - o primeiro
O maior e mais descarado dos colos. É uma autêntica guerra. Um massacre nunca antes visto em Portugal. São todos contra um. Um ou outro caso de idoneidade até passa despercebido. Os jornais inventam notícias, os comentadores são sectários até dizer chega. Os pivots de alguns telejornal "assinam" notícias com comentários jocosos sobre a peça que acabou de passar. Os reporters da TV nos comícios, em directo, parecem preocupados (insistindo) em anotar que “estão a sair pessoas…” – perante uma enchente indisfarçável do espaço e depois do comício terminar (Guimarães…6/02)

Capital - o segundo
Pela primeira vez foram colocados em questão os exagerados benefícios fiscais da banca. Por iniciativa de um Governo. Sentiram e contra-atacaram. Mas é um colo que está a abrandar o seu apoio. Já perceberam (pelo discurso de Sócrates) que vem aí mais um período de desgaste das finanças públicas. Mas, pior a emenda do que o soneto: também devido à sua intervenção, e sem maioria absoluta do PS, arriscam-se a enfrentar as ideias do Louçã sobre o assunto … por iniciativa de um Governo.

Corporações - o terceiro
Algumas mudanças foram iniciadas. As classes dominantes sentiram-se tocadas nos seus privilégios que prejudicam o futuro do País. São os Médicos com os genéricos e a gestão hospitalar. Os Advogados que vêm a Justiça “das manobras dilatórias” ser posta em causa. Os Farmacêuticos com o seu negócio fechado em risco. Os Professores, ainda “donos” das Escolas (que interessam os alunos?) com remunerações e regras de trabalho sem paralelo na Europa.

Povo esquecido - o quarto
Que estará esquecido (é preciso continuar a lembrar) de que foram todos estes, que se preparam para voltar a governar que criaram toda esta situação. Fugiram dizendo-se incompetentes para inverter a situação. Abriram a ferida. Depois, ingenuamente, vieram outros. Estancaram a hemorragia. Trataram a ferida. Quando se preparavam para dar o usufruto ao País. Trás. Apanharam com o cutelo do Sampaio…

Senadores (incluindo Sampaio) - o quinto
Os velhos do Restelo. Neste caso os “velhos” da revolução e da constituição. Soares, Freitas, Vital Moreira, etc. Todos eles que, tendo sido importantes na mudança para a democracia, criaram este país. Fizeram esta Constituição. E que nunca concordarão que tiveram o seu tempo, que o seu trabalho atingiu os seus limites. Que precisa de mudança e renovação. Mas, enquanto puderem falar, lá demonstrarão a sua oposição à mudança. E terão os microfones na sua frente. Sim, os microfones empunhados pelo outro colo… O primeiro, em cima.

A tralha guterrista - o sexto
Só faltava esta malta. Três anos metidos num buraco. Sem opinião. Envergonhados. Noutras lutas, na Casa Pia, pelo Mundo, pela Europa. A assistirem aos outros a emendarem a sua mão. A imporem tempos difíceis à população. A estancar a hemorragia, a curarem a ferida criada.
Agradecem a Sampaio com todas as suas forças. Pois, este não deu tempo a Sócrates para mudar as caras. Cá estão eles. Prontos para mais uns anos asneiras sucessivas. De atraso do País. Para depois, novamente, volta o disco e vêm outros colocar tudo no lugar.
Formigas… Cigarras…Formigas… Cigarras… Formigas, outra vez Cigarras...


Será que vamos a tempo de inverter isto até 20 de Fevereiro?

Infelizmente, julgo que não.
Os colos e Sampaio foram determinados e têm a faca e o queijo na mão.
Resta-nos lutar até ao fim, para reduzirmos os prejuízos para o País…

2 comentários:

Nónio disse...

Há colos e colos. Se traficar influência para influenciar um árbitro dá direito a investigação da PJ, porque não investiga a PJ o tráfico de influência para inflenciar o voto? Alguém pode acreditar que Expresso e Público (pelo menos) não estão comprados e vendidos à campanha do PS? Quem ganha? Quanto pagou? O que pagou? Que favores vão ter os seus directores dos Governos PS?
http://nonioblog.blogspot.com/

Anónimo disse...

Parabéns pelo seu blog.