terça-feira, dezembro 06, 2005

Vitória de Setúbal: Produtividade versus insegurança do emprego

O Vitória de Setúbal vem protagonizando uma situação inédita no futebol português. Uma equipa de qualidade média excede-se. Mas, numa situação particular: a entidade patronal está em crise financeira aguda e prestes a abrir falência.
Nada que seja explicado com a excelência do treinador e dos seus métodos. Com condições de trabalho e objectivos bem delineados. Não.
Os jogadores, com salários em atraso, já perceberam que a sua luta não é pela recuperação do que está perdido (os seus salários em atraso e isso ficará para depois, para os tribunais) e então, ao invés de se “enterrarem” ainda mais, em greves de protesto por algo que nunca vão conseguir, fazem o inverso: excedem-se e mostram-se. A quem? Aos seus futuros empregadores.
Os jogadores e treinador do Vitória já sabem que nada de bom se lhes espera no Vitória. Assim, trabalham (e bem) para o seu futuro. Em Janeiro, com a reabertura do mercado, estarão livres contratualmente e terão novos patrões. Novos contratos. Mais seguros e tanto melhor pagos quanto melhor for a sua prestação até à respectiva assinatura.
Já viram o efeito na produtividade quando que há insegurança no emprego?
Desde que a atitude seja a correcta e não se enverede por greves inúteis…
O mesmo efeito se verifica nas últimas 5 jornadas de cada campeonato. Muitas equipas de menor qualidade excedem-se e fogem, nas últimas, à despromoção. Porquê? Porque os jogadores precisam de se mostrar para lutarem por novos contratos (no actual ou futuros clubes).

3 comentários:

O Restaurador disse...

Acabei de ver! Os jogadores já entregaram o pré-aviso de greve contra o benfica!!! Eu sou benfiquista, e tenho um carinho enorme pelo vitória de setúbal! Quando jogam, eu torço pelo empate! Não gostava de ver o vitória faltar, pois acho que iria ser um bonito jogo!

Mas pronto, os administradores que não sejam ursos e em vez dois meses + os prémios, que paguem realmente TUDO o que devem aos jogadores, que são uns heróis!

E já agora a minha solidariedade para os jogadores do Estoril e da Ovarense!

Prof24 disse...

O seu comentário roça o obsceno. Então é bom que haja insegurança no emprego como forma de aumentar a produtividade?!? Meu caro, nem Taylor tinha ido tão longe; ralvez apenas no tempo da escravatura e do saudoso Torquemada, a par com a Santíssima Inquisição da Imaculada Madre Igreja o tenha conseguido.

O outro aspecto obsceno é que enquanto os "produtivos" futebolistas esperam pelo dinheiro, os senhores accionistas têm os ordenados em dia, segundo palavras do próprio presidente do clube.

E isso é, obviamente, obsceno.

Prof24 disse...

O seu comentário é obsceno.

Então a "insegurança no emprego" estimula a produtividade? Nem Taylor foi tão longe. Teremos de regredir até às sociedades esclavagistas para encontrar pensamento tão sombrio.

Por outro lado, enmquanto os "produtivos" jogadores trabalham sem receber um cêntimo, suas excelências os administradores da SAD têm os respectivos ordenados em dia, segundo palavras do próprio Chumbita Nunes.

Não será isso obsceno?